Livros que recomendamos (Tecnologia)

The Phoenix Project

The Phoenix Project – de Gene Kim, Kevin Behr e George Spafford – é essencial para todos que já entenderam a importância da transformação de negócios a partir da tecnologia.

Escrito em forma de romance, tem leitura fácil e agradável. Sem atropelos nem exageros, o livro apresenta DevOps de maneira amistosa, mesmo para não-técnicos.

Os personagens representados na obra são estereotipados, mas, nem por isso, deixam de ser críveis. Os cenários e os problemas enfrentados são também bem realistas e retratam de maneira transparente a falta de habilidade de alguns times em atender aos anseios dos clientes. Também são descritas as infindáveis horas extrasm inspeções sem motivo aparente, processos de qualidade pouco efetivos, etc.

A leitura de “The Phoenix Project” é, ao mesmo tempo, um ótimo passa-tempo e fonte segura de conhecimentos sólidos.

Elemar Júnior

Microsoft Regional Director e Microsoft MVP. Atua, há mais de duas décadas, desenvolvendo software e negócios digitais de classe mundial. Teve o privilégio de ajudar a mudar a forma como o Brasil vende, projeta e produz móveis através de software. Hoje, seus interesses técnicos são arquiteturas escaláveis. bancos de dados e ferramentas de integração. Além disso, é fascinado por estratégia e organizações exponenciais.

Talvez você goste também

Carregando posts…

Mais posts da série Livros que recomendamos (Tecnologia)

1 comentário
  1. DANIEL MOREIRA YOKOYAMA

    Eu estou convencido de que de alguma forma este livro deveria ser leitura obrigatória para profissionais de tecnologia e gerentes. Apesar do cunho imediatista (proposital, visto que o autor quis deliberadamente criar um clima de catástrofe iminente) e de alguns exageros de corporativismo romântico (como a transformação repentina de um dos personagens centrais de forma bastante irreal), o livro tem o mérito de apresentar uma forma crível de reformular as relações de colaboração entre o negócio, IT Operations e Engenharia de Software em pequenos passos até que a empresa se pareça bastante descaracterizada de como ela parecia organizada no início do livro.
    O verdadeiro valor está nos adendos ao fim do livro, com as referências para leitura e uma descrição mais objetiva de “The Three Ways”. Ainda assim, pode-se argumentar que a jornada de Bill Palmer ao longo dos 35 capítulos vale a leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *